jump to navigation

Doenças transmitidas pelos animais Setembro 30, 2009

Posted by 50minutos in Em debate.
add a comment

zoonoses
Muitas pessoas, apesar de gostarem dos animais domésticos, têm receio das doenças transmitidas por eles. O pêlo, a saliva, as patas, as fezes e a urina de gatos e cachorros abrigam diversos microorganismos capazes de provocar doenças. Alguns estudos mostram que as mordidas de animais são a quarta principal causa de acidentes em crianças menores de nove anos. Sendo assim, vale lembrar que, mesmo quando elas não provocam raiva, deixam feridas que podem se infectar e têm que ser cuidadas adequadamente. Das 25 doenças infecciosas que historicamente causaram alta mortalidade em seres humanos, muitas provavelmente, ou possivelmente, chegaram aos homens a partir de animais domesticados, segundo uma grande análise publicada na “Nature”. As principais entre as doenças associadas a climas temperados são a difteria, influenza A, sarampo, caxumba, coqueluche, rotavírus, varíola e tuberculose. As três outras provavelmente vieram de macacos ou roedores, afirma a análise. Outras quatro doenças de climas temperados vieram de fontes ainda desconhecidas.

Reeducação alimentar Setembro 29, 2009

Posted by 50minutos in Em debate.
add a comment

efeito-sanfona
Hoje, a vaidade é uma realidade e a busca pelo corpo perfeito é uma constante no dia-a-dia de muitas pessoas. No entanto, a “amiga” do peso em excesso é a má alimentação. A falta de tempo para comer, o estresse, a invasão dos “fast-foods” são inimigos da alimentação saudável. Comer o desnecessário tornou-se uma armadilha para quem busca o peso ideal. Atualmente, a fórmula encontrada pelos nutricionistas é a reeducação alimentar. Manter bons hábitos alimentares é um processo de mudança comportamental que faz com que a pessoa passe a consumir somente o alimento necessário para o seu organismo. Ou seja, a melhor maneira de perder os quilinhos em excesso é aprender a comer o ideal. A reeducação alimentar tem como objetivo apontar os nutrientes variados, sem a restrição total de nenhum alimento. O grande segredo de fazer uma alimentação mais saudável é respeitar a individualidade, ou seja, quanto mais próximo da realidade de cada um, mais fácil será o processo de mudança. A obesidade não escolhe classe social, sexo e nem mesmo idade, e é consenso entre especialistas, de todas as áreas, que ela transformou-se em um dos maiores problemas da atualidade. Ao contrário do que possa parecer, obesidade não é saúde, e nem sinal de que o indivíduo está se alimentando bem. Na verdade, é um distúrbio no balanceamento dos nutrientes, induzidos entre outros fatores pelo excesso alimentar. O peso desregulado é causador de problemas psicológicos, frustrações, além de uma série de males à saúde, e é classificada como doença da modernidade. O aumento da obesidade tem relação com a predisposição genética, o sedentarismo, além da nutrição irregular pela variedade de alimentos prontos, como os fast foods, principais responsáveis pelos erros alimentares. A obesidade também deve-se ao próprio ritmo desenfreado da vida atual, em que pessoas comem quando tem tempo. Hoje, são diversas as dietas e remédios com promessas milagrosas. Pessoas que se dizem especialistas, mas não têm conhecimentos técnicos e nem mesmo estudos na área, propagam fórmulas de emagrecimento rápido em revistas ou na televisão. E é aí que mora o perigo.

A dívida depois da faculdade Setembro 28, 2009

Posted by 50minutos in Em debate.
add a comment

money_and_graduation_cap_1
O acesso à educação no Brasil vem crescendo nos últimos anos. Em 2006, estudos mostraram que, em relação a 2005, houve aumento de 13,2% de alunos matriculados no ensino superior, seja em cursos de graduação, mestrados ou doutorado. Muitas dessas conquistas vêm dos programas de financiamento estudantil, que aumentam cada vez mais no país. Hoje o mais conhecido é o Fies e o Prouni, Programa Universidade para Todos, ambos são do governo federal, coordenados pelo Ministério da Educação. Em 2009, o Fies completa dez anos. Até agora meio milhão de pessoas tiveram acesso ao programa. O estudante pode frequentar uma universidade do início ao fim do curso usando o financiamento estudantil. Mas, para isso, a universidade precisa estar inscrita no programa do MEC. O aluno também tem que provar que a renda mensal da família é menor do que o valor da mensalidade e apresentar um fiador. Desde de 1999, o Programa de Financiamento Estudantil, o FIES, permite que estudantes sem condições de arcar com os custos de sua formação possam alcançar o tão desejado diploma de Ensino Superior. Atualmente são quase 500 mil estudantes beneficiados e 1.459 instituições de Ensino Superior credenciadas, com 2.080 Campi cadastrados e aplicação de recursos da ordem de R$ 4,6 bilhões. Para estudantes matriculados em cursos que tenham obtido conceito inferior a três no ENADE é vedada a concessão do financiamento do FIES. São considerados cursos prioritários os cursos de licenciaturas em química, física, matemática, biologia, engenharia, medicina, geologia, cursos de tecnologia constantes do Catálogo Nacional de Cursos Superiores em Tecnologia. O financiamento a estudantes matriculados em IES que tenham aderido ao PROUNI e aos matriculados nas demais instituições priorizará estudantes matriculados nos cursos com os melhores resultados obtidos nos processos de avaliação conduzidos pelo MEC. Os critérios de seleção, impessoais e objetivos, trouxeram transparência ao Programa, que tem como premissa atender à população com efetividade, destinando e distribuindo os recursos de forma justa e igualitária.

Segurança nas estradas Setembro 25, 2009

Posted by 50minutos in Em debate.
add a comment

transito
Infraestrutura logística é um importante agente no desenvolvimento do País. As rodovias, por exemplo, são de extrema importância para a indústria automobilística. Se não houvesse nenhuma estrada não haveria necessidade de veículos. Porém, esse caminho que permite o acesso de um ponto a outro em um território tem sido a linha final para a vida de muitas pessoas. Segundo um estudo do S.O.S Estradas, todos os dias ocorrem, em média, 723 acidentes nas rodovias brasileiras. Deste número, 35 pessoas morrem imediatamente ao acontecimento, 417 ficam feridas e 30 morrem posteriormente. No entanto, na análise do levantamento, as condições das estradas não são os principais fatores que incitam esses acidentes – 90% da causa diz respeito à displicência humana. Apesar de todos os avanços na segurança automotiva e das leis que punem com maior rigor, a imprudência ainda é vista com frequência nas ruas e estradas brasileiras. Velocidades excessivas, rachas e desrespeito à legislação estão entre as maiores causas de acidentes fatais nas rodovias. Hoje encerra a Semana Nacional do Trânsito. Fóruns, debates e discussões alertaram sobre esses e outros perigos nas estradas brasileiras. Mas o que falta para a população tomar consciência da segurança ao pegar o volante? A Semana Nacional do Trânsito acontece anualmente desde que foi instituído o Código de Trânsito Brasileiro, em 1997. A comemoração é obrigatória para todos os órgãos e entidades componentes do Sistema Nacional de Trânsito, que devem criar eventos e promover campanhas educativas em todo o território nacional. No entanto comemorar não é o termo mais adequado a qualquer evento que se refira ao trânsito. As estatísticas de mortos e feridos por acidentes permanecem assustando a cada ano. Na última década surgiram iniciativas interessantes que buscam a conscientização popular em relação ao trânsito. Uma das principais é o Dia Mundial Sem Carro, dia 22 de setembro, movimento que começou na Europa nos últimos anos do século 20, e desde então vem se espalhando pelo mundo. A idéia central é refletir sobre os problemas causados pelo uso massivo de automóveis e incentivar formas alternativas de locomoção, como a bicicleta.

Cuide bem dos seus olhos Setembro 24, 2009

Posted by 50minutos in 1.
add a comment

olhos11
Apesar de vivermos em um mundo onde a linguagem exige cada vez mais de nossos olhos, nem sempre nos lembramos de cuidar desta área tão fundamental e sensível de nosso corpo. Os olhos merecem cuidados especiais. Para o trabalhador de nossas cidades modernas, vivendo, trabalhando em lugares fechados onde o horizonte não tem mais do que cinco metros de distância, os músculos da convergência são sempre ativados e cansam. Isso gera tensões. A luz, com intensidade sempre igual, o olhar pregado à tela do computador ou da televisão, a monocromia, aliados a um trabalho irritante que gera tensões em todos os lugares do corpo, até no aparelho visual, são as causas principais que levam a distúrbios e a uma visão alterada. Esses costumes se não corrigidos cedo podem acarretar sérios problemas. Quem nunca ouviu falar que cenoura é bom para a visão? Cada vez existem mais evidências de que os nutrientes antioxidantes presentes em muitas plantas, incluindo nas cenouras ou outras frutas e vegetais vermelhos ou amarelos, óleos de peixe ou em vísceras podem ajudar a prevenir problemas de vista, que estão associados algumas das vezes com o envelhecimento. Nos Estados Unidos, cerca de 760 em 100.000 pessoas apresentam problemas de vista. As duas maiores causas da falta de vista, nos países ocidentais, são as cataratas e a degeneração macular associada à idade; ambas estão associadas à diabetes, obesidade e envelhecimento. Apesar dos problemas visuais não colocarem em risco a vida de quem os apresenta, estes limitam consideravelmente a sua independência, mobilidade e qualidade de vida. Existem cada vez mais estudos que mostram que os nutrientes antioxidantes, como a vitamina A, C e E, juntamente com os pigmentos carotenóides, como a luteína e a zeaxantina, encontradas nas frutas e vegetais, podem prevenir ou retardar o aparecimento destas formas de cegueira na velhice.

Vícios em jogos Setembro 23, 2009

Posted by 50minutos in Em debate.
add a comment

06
O jogo existe desde a Antiguidade, mas seu casamento com tecnologia e turismo é um fenômeno do capitalismo do último século. Ele é um mecanismo de concentração de renda que causa dependência nas pessoas vulneráveis, que sofrem, contraem dívidas, perdem empregos, desamparam famílias. A evolução do jogador social para o compulsivo pode variar de seis meses a 20 anos. A forma habitual é a familiaridade com o jogo, quando há prática no contexto familiar. Depois ele chega nos jogos mais estruturados e de exploração comercial, como o jogo do bicho, bingo e loteria. Assim como todos os jogadores, eles perdem e ganham de vez em quando, mas a conjunção de problemas pessoais pelos quais a pessoa esteja passando naquele momento faz com que sua memória apenas registre os altos valores ganhos. Mas o que começa com uma brincadeira, pode tornar-se uma doença. Antigamente, a dependência do jogo era predominantemente masculina. As mulheres não apresentavam o problema, pois não freqüentavam os ambientes próprios de jogos de apostas. Devido ao aumento do número de casas de bingo nas cidades, as mulheres se aproximaram do jogo e passaram a desenvolver a dependência. Há alguns anos, a relação de jogadores patológicos era de três homens para uma mulher; hoje, essa relação é de um para um em alguns países. Os dados a respeito do vício em jogos de azar não são precisos. Estima-se que no Brasil, entre 1% e 3% da população sofra do problema. Isso é calculado com base em números de outros países, como EUA, Canadá, Austrália e países europeus.

Segurança no trabalho: direito ou obrigação Setembro 22, 2009

Posted by 50minutos in Em debate.
add a comment

5743661g
O trabalho é um dos elementos que mais interferem nas condições e qualidade de vida do homem e portanto, na sua saúde. Muitas das lutas travadas por direitos trabalhistas que ocorreram no último século estão ligadas à demandas dos trabalhadores por um ambiente de trabalho saudável, e a própria existência de doenças profissionais, isto é, de enfermidades ligadas à atividade produtiva já era reconhecida pela Organização Internacional do Trabalho desde o início do século XX. No Brasil, a Constituição Federal de 1988 retirou o assunto Saúde do Trabalhador do campo do Direito do Trabalho e o inseriu no campo do Direito Sanitário, isto porque existe um entendimento de que a saúde é um direito que não pode ser negociado e deve ser garantido integralmente. Apesar das relações Trabalho, Saúde e Doença dos trabalhadores serem reconhecidas desde os primórdios da história humana registrada, estando expressa em obras de artistas plásticos, historiadores, filósofos e escritores, é relativamente recente uma produção mais sistemática sobre o tema. Bernardino Ramazzini, médico italiano nascido em Módena em 1633, é considerado o Pai da Medicina do Trabalho pela contribuição de seu livro: “As Doenças dos Trabalhadores”, publicado em 1700 e traduzido para o português pelo Dr. Raimundo Estrêla. Nele o autor relaciona 54 profissões e descreve os principais problemas de saúde apresentados pelos trabalhadores, chamando a atenção para a necessidade dos médicos conhecerem a ocupação, atual de seus pacientes, para fazer o diagnóstico correto e adotar os procedimentos adequados. A Revolução Industrial, iniciada na Inglaterra no século XVIII desencadeando transformações radicais na forma de produzir e de viver das pessoas e, portanto de seu adoecer e morrer, deu novo impulso à Medicina do Trabalho. Desde então, acompanhando as mudanças e exigências dos processos produtivos, e dos movimentos sociais, suas práticas têm se transformado, incorporando novos enfoques e instrumentos de trabalho, em uma perspectiva interdisciplinar, delimitando o campo da Saúde Ocupacional e mais recentemente, da Saúde dos Trabalhadores.

Todos querem respirar Setembro 21, 2009

Posted by 50minutos in Em debate.
add a comment

Qualidadedoar_bmp
A poluição com que estamos sujeitos a conviver é uma realidade inquestionável. A instalação de indústrias na região sem o devido controle de emissões e o aumento da mobilidade baseado nos meios de transportes individuais vêm degradando o ambiente e afetando a qualidade de vida das pessoas, a eficiência econômica e a própria produtividade das cidades. A poluição da Grande São Paulo por exemplo, é pior do que se imaginava se considerada a presença de poeira fina nas medições realizadas pelos órgãos competentes. O ar metropolitano vem sendo reprovado no padrão máximo de poeira fina, que é de dez microgramas, e agora se observa praticamente o dobro dos índices suportáveis. Na prática, se o Estado começar a levar em consideração esses valores, o ar será considerado impróprio praticamente todos os dias. A poeira fina é considerada hoje pela Organização Mundial da Saúde, o principal indicador dos danos que a poluição provoca na saúde das pessoas devido à agressividade da poeira nos pulmões e na corrente sanguínea. A partir de meados do século XVIII, com a Revolução Industrial, aumentou muito a poluição do ar. A queima do carvão mineral despejava na atmosfera das cidades industriais européias, toneladas de poluentes. A partir deste momento, o ser humano teve que conviver com o ar poluído e com todos os prejuízos vindos “progresso”. Atualmente, quase todas as grandes cidades do mundo sofrem os efeitos daninhos da poluição do ar. Cidades como São Paulo, Tóquio, Nova Iorque e Cidade do México estão na lista das mais poluídas do mundo. A poluição gerada nas cidades de hoje são resultado, principalmente, da queima de combustíveis fósseis como, por exemplo, carvão mineral e derivados do petróleo. A queima destes produtos tem lançado uma grande quantidade de monóxido de carbono e dióxido de carbono na atmosfera. Estes dois combustíveis são responsáveis pela geração de energia que alimenta os setores industrial, elétrico e de transportes de grande parte das economias do mundo. Por isso, deixá-los de lado atualmente é extremamente difícil.

Desafios da Educação a Distância Setembro 17, 2009

Posted by 50minutos in Em debate.
add a comment

e-learning
Falar de educação hoje, tem uma abrangência muito maior, e fica impossível não falar na educação sem nos remetermos à educação a distância, com todos os avanços tecnológicos proporcionando maior interatividade entre as pessoas. Utilizando os meios tecnológicos a Educação a Distancia veio para derrubar tabus e começar uma nova era em termo de educação. Esse tipo de aprendizagem não é mais uma alternativa, para quem não disponibiliza da educação formal, mas se tornou uma modalidade de ensino de qualidade que possibilita a aprendizagem de um número maior de pessoas. Antes o Ensino a Distancia não tinha credibilidade era um assunto polêmico e trazia muitas divergências, mas hoje esse tipo de ensino vem conquistando o seu espaço. Porém, não é a modalidade de ensino que determina o aprendizado, seja ela presencial ou à distância, aprendizagem se tornou hoje sinônimo de esforço e dedicação de cada um. A educação a distância não surgiu do dia para a noite, tem uma longa história de experimentações, sucessos e fracassos. Sua origem recente está nas experiências de educação por correspondência iniciadas no final do século XVIII e com largo desenvolvimento a partir de meados do século XIX chegando aos dias de hoje a utilizar multimeios que vão desde os impressos à simuladores on¬line, em redes de computadores, avançando em direção da comunicação instantânea de dados. Do início do século XX, até a Segunda Guerra Mundial, várias experiências foram adotadas desenvolvendo-¬se melhor as metodologias aplicadas ao ensino por correspondência que, depois, foram fortemente influenciadas pela introdução de novos meios de comunicação de massa. No Brasil, desde a fundação do Instituto Rádio¬Monitor, em 1939, e depois do Instituto Universal Brasileiro, em 1941, várias experiências foram iniciadas e levadas a termo com relativo sucesso. Entretanto, em nossa cultura chama a atenção um traço constante nessa área: descontinuidade dos projetos, principalmente os governamentais. Entre as primeiras experiências de maior destaque está a criação do Movimento de Educação de Base¬MEB, cuja preocupação básica era alfabetizar e apoiar os primeiros passos da educação de milhares de jovens e adultos através das “escolas radiofônicas”, principalmente nas regiões Norte e Nordeste do Brasil.

Cuidados com a pele Setembro 15, 2009

Posted by 50minutos in Em debate.
add a comment

desenho_04_08
A pele é um espelho da saúde do corpo e não é nenhum exagero dizer que você estampa nela o seu verdadeiro estado de espírito. Ela é tão intimamente ligada às emoções que ficamos pálidos de medo, vermelhos de vergonha, franzimos a testa se estamos mais preocupados, rangemos os dentes devido ao stress, e assim sucessivamente. A pele pode nos mostrar o ritmo dos seus dias, o tipo de ambiente a que você esta exposto: seja ao sol, vento, ar condicionado, ambientes em que não vemos a luz solar, sob muitos refletores, mal hábitos como o cigarro, bebida, noites mal dormidas, ou seja, a pele revela tudo. E, além disso, pode mostrar a sua personalidade, se mais tímido, se bravo devido a algumas rugas de expressão e alegria. Assim a pele serve como um alerta e um protetor ao meio externo, por isso é sempre importante dar atenção para a ela. Os primeiros sinais da inevitável ação do programa genético que transforma a pele surgem na infância. Nos bebês, ela é lisinha, seca, brilhante. A partir dos 2 anos de idade, as glândulas sebáceas começam a funcionar e provocam a oleosidade. A pele umedece com o suor. Aparecem sinais, manchas e acne. À medida que envelhecemos, ocorrem mudanças significativas também nos principais ingredientes da firmeza e da elasticidade, o colágeno e a elastina. Só que, como o sistema genético varia entre as pessoas, acontece o que parece injusto: algumas peles enrugam antes do que outras. Além disso, as lesões cutâneas demoram mais para sarar em pessoas mais velhas porque há a queda de produção de sebo protetor e de irrigação sanguínea. Os atuais padrões de beleza que exigem pele saudável, macia, jovem e reluzente ajudam a lotar os consultórios dos dermatologistas, sobretudo de pessoas interessadas em prevenir ou combater o envelhecimento. A procura tem aumentado principalmente por causa da preocupação com a aparência. A pele é potencialmente reagente às agressões externas, entre elas a poluição e os cosméticos inadequados, sem falar no estresse. Não é raro sentir na pele aflições do organismo e da mente. Pessoas ansiosas, depressivas e estressadas somatizam seus transtornos na pele. E quase todas as doenças deixam um sinal dérmico que pode ser reconhecido por médicos.